É verdade que todo vinho com tampa de rosca é de qualidade inferior? Existem rolhas ideais para cada tipo de vinho? Hoje vamos conversar sobre essas dúvidas que surgem na hora de escolher um rótulo.

Abrir uma garrafa de vinho faz parte de um verdadeiro ritual de apreciação da bebida. Muitas pessoas adoram o momento de tirar a rolha da garrafa e até guardam ela em locais especiais para a coleção. Mas, será que todos têm consciência dos tipos de rolha? E quais são as suas influências no sabor do vinho?

Outra grande confusão gira em torno de uma crença de que os vinhos vedados com rosca, ou seja, os vinhos sem rolha, sejam de uma qualidade inferior. Para sanar de vez todas essas dúvidas e derrubar alguns mitos, vamos falar sobre os tipos de rolhas e vedações.

Qual é o papel da vedação?

Antes de falarmos sobre os tipos de vedação para vinhos, é importante compreender qual é o papel dela na garrafa. Em resumo, uma vedação serve para diminuir, ou obstruir completamente, o contato da bebida com o oxigênio.

Vinhos não são produtos sintéticos mortos. Um vinho tem vida e o seu sabor e a sua composição depende de uma mistura de vários fatores. O oxigênio pode ser um elemento de desequilíbrio nessa composição e alterar o sabor do vinho.

Portanto, para armazenar a bebida é necessário que o vinho entre em contato apenas com elementos que trarão benefício ao sabor final da bebida. Os elementos podem ser o oxigênio, a madeira, etc. tudo vai depender das intenções do enólogo e dos produtores.

Quais são os tipos de vedações?

As vedações podem ser divididas em duas categorias principais, as rolhas de cortiça e as vedações inteiramente sintéticas ou artificiais. Sendo que os tipos de vedações são:

Rolhas de cortiça naturais

São as rolhas produzidas diretamente da casca do sobreiro, árvore portuguesa. A rolha natural leva o nome graças a sua produção sem a presença de qualquer elemento sintético.

A dificuldade na produção está justamente no tempo de espera para que a árvore possa ser utilizada na produção das rolhas. Um sobreiro leva, em média, 9 anos para estar em condições de ser utilizado.

Rolhas de aglomerado

Levando em consideração que a produção das rolhas naturais é custosa e de difícil obtenção, os produtores desenvolveram técnicas para criar rolhas de cortiça sem a necessidade de esperar o tempo de crescimento do sobreiro.

Todos os restos e rebarbas na obtenção das rolhas naturais são moídos e pulverizados com cola, essa massa é utilizada na produção das rolhas de aglomerado. Um tipo muito mais barato de rolha.

Rolhas para espumante

Encontradas também nos dois modelos – naturais e aglomerados – as rolhas para espumante possuem um diferencial que está no seu poder de vedação.

Por conta da pressão dos espumantes, a vedação precisa ser mais intensa. Os produtores criam uma rolha que é duas ou três vezes maior do que a boca da garrafa.

Como a cortiça é elástica, é possível, com uma pressão elevada, fazer com que a rolha seja colocada na garrafa, deixando apenas uma ponta solta. Essa ponta, que parece muito maior do que a rolha que está na garrafa, é na verdade o tamanho natural da rolha.

Isso é feito para garantir nenhuma que quantidade de oxigênio entre na garrafa.

Rolhas plásticas ou artificiais

As rolhas plásticas ou artificiais são as soluções que os desenvolvedores encontraram para solucionar dois problemas: o custo das rolhas de cortiça e também os elementos que podem atrapalhar o sabor do vinho.

É importante dizer: rolhas de cortiça são charmosas e naturais, agregam uma certa elegância a bebida, mas elas não estão livres de problemas. Se uma rolha de cortiça for mal produzida ou estocada, pode desenvolver um fungo conhecido como TCA, que provoca mal cheiro e modifica o sabor do vinho.

Então, para evitar esse tipo de problema, ou apenas para diminuir os custos, os produtores desenvolveram outras vedações, vejamos:

Rolhas de espumante plásticas

Os espumantes, sobretudo os de valores mais baixos, possuem uma rolha feita em plástico que imita o formato do cogumelo.

Tampa de rosca

Desenvolvidas nos últimos anos e especialmente utilizadas nos Estados Unidos, Argentina, Chile, Brasil e na Austrália. As tampas de rosca são uma alternativa às rolhas de cortiça e também evitam o aparecimento do TCA, além de serem excelentes vedações.

Vinhos fabricados e vedados com tampas de rosca não são, em absoluto, vinhos de qualidade inferior. Essa ideia equivocada está agregada ao charme que uma rolha de cortiça proporciona, mas os rótulos de tampa de rosca podem competir muito bem com os melhores rótulos de rolhas comuns.

O que acontece é que graças ao custo baixo desse tipo de vedação, muitos vinhos de qualidade inferior adotaram a rosca. Outro fator importante é que quase todas as bebidas são vedadas assim: sucos, refrigerantes, etc. o que aumenta o aspecto “rasteiro” desse tipo.

Rolhas de vidro

Um novo tipo de rolha, que pode ser encontrada em algumas bebidas e que talvez venha a ganhar o mercado internacional. As rolhas de vidro são desenvolvidas para eliminar o cheiro ou o aroma das rolhas de cortiça, sem deixar o oxigênio entrar em contato com a bebida.

Rolha de Vidro

Estes são, basicamente, todos os tipos de vedação e as suas especificidades.

Rolhas de cortiça são indubitavelmente um elemento de status e elegância ao servir a bebida, contudo, é um erro torcer o nariz para as alternativas, se elas forem elaboradas por bons profissionais e por produtores comprometidos.

Tipos de Rolhas

Ficou com dúvidas ou gostaria de saber mais sobre o assunto? Entre em contato conosco.

Também não deixe de seguir as nossas publicações. Estamos sempre trazendo informações e novidades sobre o universo dos vinhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *